Com visão de futuro, O Ministério de Turismo implementa estratégias compatíveis com o tema da sustentabilidade não somente em função do aumento na chegada de turistas, mas, complementariamente, enfocado na redistribuição da riqueza dentro do país.

 

Christian Alfredo Mera

Subsecretário de Desenvolvimento Turístico

 

Sem dúvida que não é gratuito o merecido reconhecimento alcançado pelo Equador e seu gestor, o Ministério de Turismo, ao obter o reconhecimento da Organização Mundial de Turismo, entidade que é parte do bureau do Conselho Mundial de Turismo Sustentável.  Nosso entrevistado nos demonstra o contexto no qual se produz este novo e merecido galardão.

 

1.      Ao falar de turismo sustentável no Equador, quais são as políticas implementadas pelo MINTUR sobre o meio natural, cultural e social do país?

 

O Ministério de Turismo, desde este ano, tem uma nova estratégia de trabalho muito compatível com o tema da sustentabilidade. Não somente se mede a chegada de turistas, mas a distribuição da riqueza e a inclusão das comunidades.  Trabalha-se, também, muito perto da indústria turística.

 

2.      Como está preparado o Equador para o aumento na chegada de turistas ao país em relação ao melhoramento da qualidade da oferta?

 

Este ano se declarou como o ano da qualidade turística justamente para que possamos estar preparados para a chegada de novos turistas nos próximos anos. Sob esta perspectiva, a estratégia é integral e se alavanca na prestação de serviços oferecidos pelas pessoas, as quais são capacitadas e certificadas em competências do trabalho, tanto operativas como administrativas e cargos de direção. Este controle sobre a gestão de qualidade também se aplica aos estabelecimentos turísticos, tanto a aqueles que recém começam dentro da atividade como a aqueles que já têm alguns anos de prestação deste tipo de serviços. Para eles, aplica-se a normativa Q sob a marca Q que está vinculada aos critérios de sustentabilidade e que reconhece o cumprimento de todos os mecanismos de boas práticas de turismo sustentável.

 

O turismo sustentável tem ações nos três campos da sustentabilidade: 

 

Ambiental: cuidado do ambiente, manejo de dejetos, economia de energia, otimização de recursos.

Social: vinculação a comunidades locais, sua participação, potenciação de seus valores culturais, entre outros.

Econômico: fortalecimento das empresas.

 

Todos estes aspectos estão dentro do sistema de gestão de qualidade. A norma Q de qualidade tem indicadores que contemplam a medição de todos os processos até o cliente final, seja turista nacional ou estrangeiro e, ademais, tem o que chamamos de auditorias de sustentabilidade, que são indicadores sobre os quais se contrastam as normas e se realizam as avaliações.

 

Estes controles e avaliações são realizados por uma equipe base formada no Ministério e se complementam com processos de contratação externa.

 

3.      Qual é a transcendência do compromisso assumido pelo Ministério de Turismo com o Conselho Global de Turismo Sustentável?

 

O Equador é o país pioneiro na América em adotar os critérios de sustentabilidade. Existem quatro macrossistemas vinculados à sustentabilidade. É assim que o compromisso com o Conselho Global de Turismo Sustentável é demonstrar que temos trabalhado em uma estratégia de qualidade, em sistemas de avaliação e em critérios aplicados a todos os destinos.

 

A seguinte fase, uma vez obtido o reconhecimento, é selecionar os destinos e iniciar os processos de implementação da norma para ter uma certificação internacional.

 

4.      Quais aspectos você destacaria nos modelos de sustentabilidade para o setor turístico liderado pelo MINTUR?

 

O Ministério de Turismo trabalha junto com a indústria turística e a academia.  Esta vinculação público-privada é bastante forte.

 

O Equador tem uma história interessante. Nos anos 90 já fomos exemplo de prestação de serviços em ecoturismo e em normas de sustentabilidade. O Equador tem o único selo de sustentabilidade na América do Sul: o selo Smart Voyager, avalizado intercontinentalmente pelo Conselho Global de Turismo Sustentável.  Este selo recebeu o reconhecimento da UNESCO em 2002 pelo tratamento de suas áreas naturais. Podemos dizer que o ecoturismo se originou no Equador, concretamente nas ilhas Galápagos, quando se começava a trabalhar no arquipélago nos anos 70. A história do Equador é bastante ampla e o que fazemos atualmente é aprofundar em todos os aspectos, potenciá-los, focalizá-los e, sobretudo, comunicá-los ao mundo.

 

5.      Qual foi a resposta das Nações Unidas e da Organização Mundial do Turismo?

 

Recebemos reconhecimento e felicitação do próprio Secretário General da OMT, Talev  Rifai. Ao adotar estes critérios, indiretamente a ONU está avalizando o trabalho do destino que está enfocado na sustentabilidade. Membros da OMT em nível internacional e da região são parte do Conselho Mundial de Turismo Sustentável.

 

6.      Quais são as metas que o MINTUR se propõe a alcançar neste ano?

 

A estratégia não se enfoca unicamente na chegada de turistas, mas no aumento do gasto, o qual ajuda a melhorar os serviços de qualidade e se enquadra nos aspectos de sustentabilidade aos que nos referimos anteriormente.

 

O turismo no Equador vem crescendo rapidamente e está acima da média do turismo em nível mundial. Em 2014 alcançamos um crescimento de 14% e para este ano se prevê alcançar um 7% adicional. Para alcançá-lo, priorizamos mercados, destinos e produtos. Cabe destacar que o turismo interno está considerado como prioritário dentro das políticas e propósitos do MINTUR neste ano. A promoção se efetua através do desenvolvimento das duas campanhas, o Equador Potência Turística (uma campanha para inculcar valores) e Viaja Primeiro Equador (onde se promove e oferta os destinos dentro do país).

 

O trabalho do Ministério de Turismo está enfocado em se alinhar com as tendências mundiais no desenvolvimento de um trabalho conjunto com a indústria e a academia, em um enfoque no melhoramento de serviços. É por esta razão que estão implementadas e em execução as campanhas de banheiros limpos em estações de serviço e praias limpas, dentro de um enfoque de qualidade do destino.

 

Destacamos os processos desenvolvidos em capacitação, qualidade dos produtos, redução de trâmites, melhoramento tecnológico para cadastro, priorização de ações de mercado, promoção e posicionamento do país. Devido a estes fatores é que tivemos sucesso, por exemplo, na campanha internacional All You Need is Equador Trade.

 

 

Share this post

Submit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn