O Cacau nasceu no Equador


A história deste fruto se liga ao Equador desde os primeiros registros de seu cultivo, há mais de 5.000 anos. Conheça a importância da “Semente de Ouro” equatoriana na história da chocolataria mundial.



Os primeiros registros históricos asseguravam, até pouco tempo atrás, que o cultivo e o uso de cacau eram originários das culturas do centro e norte do continente americano: astecas, maias, toltecas, que começaram a consumi-lo há mais de 2.000 anos antes de sua expansão pelo resto da América. Contudo, novas descobertas científicas determinaram que o consumo de cacau era uma prática comum há mais de 5.000 anos na Amazônia equatoriana. Na comunidade de Palanda, Província de Zamora Chinchipe, precisamente, onde mediante escavações e estudos realizados pelo arqueólogo Francisco Valdez, foram encontradas tumbas com oferendas e restos de alimentos; entre eles, restos de cacau. Assim documenta a série audiovisual El Gran Cacao, apresentada pelo Instituto Ecuatoriano de la Propiedad Intelectual em 2014.


A cultura Mayo Chinchipe, que se desenvolveu na Amazônia ocidental, chama a atenção por suas complexas interações em nível regional em uma época muito antiga. A cultura tinha uma ampla rede de contatos com povos circundantes, de norte a sul e também em distintas regiões climáticas. A arte de gravar em pedra é uma das amostras de maior sofisticação dos Mayo Chinchipe; estes recipientes foram encontrados ao longo de todo o rio Chinchipe.



Assentada no que atualmente se conhece como a localidade de Palanda, o povo originário representante da cultura Mayo-Chinchipe habitou o sul da Amazônia equatoriana há pelo menos 5.500 anos, segundo mostram as provas de carbono 14. Esta cultura estava organizada em aldeias e construções com formas circulares, e sua principal forma de subsistência era através da agricultura.


É o povo mais antigo do qual se tenha registro na zona ocidental da Amazônia. E, com base nas descobertas recentes, consegue-se determinar que sua organização teve certa “sofisticação social”, na medida em que as conchas marinhas (strombus e spondylus), encontradas na região, sugerem modos de
intercâmbio com outros grupos étnicos. Sobre os resíduos de theobroma (nome científico do cacau) encontrados em vasilhas e pratos, considera-se que eram utilizados para a elaboração de uma bebida de caráter energético, produzida com o cacau amazônico, muito importante para esta cultura, visto que inclusive era “enviada ao além com os mortos”.

 

A variedade de cacau cultivada por esta cultura amazônica foi justamente a que caracteriza o país, o cacau fino de aroma. Estes restos foram encontrados na jazida Santa Ana-La Florida, situada a 1.040 metros sobre o nível do mar. O cacau amazônico, então, como disse o arqueólogo Francisco Valdez, foi trasladado
por meio de algum mecanismo para o centro da América. Ao chegar lá adquiriu grande importância cultural, e no tempo da colônia começou sua exportação à Europa.


Anos mais tarde, aquela matéria-prima convertida em delicioso chocolate passaria a formar parte do legado cultural do Velho Continente, que depois de centenas de anos de tradição, conta, atualmente, inclusive com sua própria associação, The Chocolate Way.

Share this post

Submit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn